Notícia : : : : . . . . . . . . . . . . .
O 1° encontro Rede Juventude Cidadã foi um sucesso! Confira!

Fórum : : : : . . . . . . . . . . . . .

CADASTRE_SE na Rede!

Faça parte da Rede Juventude Cidadã no YAHOOGROUPS!

Artigos : : : : . . . . . . . . . . . . .

"Sacanagem"
Por: Vanderlei Martinelli

O Trabalho Infantil em Goiânia
Antônio Santiago (Goiânia - GO)
Publicado em 18/10/2005

Oportunidade : : : : . . . . . . . .
UMA GRANDE OPORTUNIDADE
Conheça o Programa Estágio Via Brasil.

O NUBE –
Núcleo Brasileiro de Estágios
 
NOTA DE REPÚDIO DA MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES
MOVIMENTO SOCIAL NÃO É CASO DE POLÍCIA
A Marcha Mundial das Mulheres foi com milhares de ativistas para as ruas neste 8 de março: manifestações, passeatas, debates públicos e ações diretas foram realizadas pelas feministas Brasil afora que em uníssono afirmaram que é preciso mudar o Brasil para mudar a vida das mulheres, que a violência não faz parte do mundo que queremos construir, que o aborto e saúde integral são um direito.

Nos causa espanto e indignação a repressão sofrida por feministas da Marcha de Natal (RN) durante a madrugada do dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher. Quatro companheiras que faziam colagem de cartazes expressando as bandeiras de luta do movimento feminista foram abordadas por policiais militares de forma repressora e discriminatória. Ao ler a frase “Eu aborto, tu abortas, somos todas clandestinas”, os policiais deram voz de prisão acusando-as de Formação de Quadrilha e Apologia ao Crime.

Ficaram detidas na 10ª Delegacia de Polícia de Plantão da Zona Sul, das 00h40 às 05h30 deste 8 de março, e vivenciaram situações que ilustram preconceito, desinformação e autoritarismo.

Repudiamos a ação policial intimidatória, preconceituosa e machista. A mesma ação que costumeiramente trata os movimentos sociais como um “caso de polícia”. Reafirmamos nosso direito à livre manifestação de idéias, assim como nos manteremos firmes na luta pela legalização e descriminalização do aborto.

Nossa solidariedade às companheiras de Natal.

Luciane Reis
71-9959-2350( meu) ou 9929-2395(recado)
Diretora Cacos/ Instituto de Mídia Étnica
lucianereispp@hotmail.com( msn)

" ser negro não é questão de pigmentação,é resistência para ultrapassar a opressão"

 

 

© Rede Juventude Cidadã 2005-06